riscos de explosão no agronegócio

Riscos de explosão no agronegócio: o perigo dos silos e armazéns

Na indústria agrícola, os silos e armazéns são construções muito importantes para armazenar os produtos, influenciando na qualidade e preço. Entretanto, por serem considerados espaços confinados, os silos são uma grande fonte de riscos de explosão e graves acidentes.

A armazenagem de produtos agrícolas é especialmente perigosa devido ao acúmulo de poeira dos grãos. Apesar de toda poeira de grão gerar atmosferas explosivas, o milho merece atenção especial, por ser um dos mais voláteis.

De maneira geral, os locais em que são processadas farinhas – como de trigo, milho, soja ou cereais – e particulados – como açúcar, arroz, chá, cacau, couro, carvão e madeira – são as instalações mais arriscadas para explosões.

Além disso, outro ponto crítico da agricultura são os espaços confinados móveis. Dentro disso, dois se destacam como principais: os tanques de armazenamento de agrotóxicos e os caminhões-tanque de transporte de água ou combustível.

 

Quais são os riscos de explosão no agronegócio?

Em geral, existe um alto risco de incêndios e explosões nas indústrias de processamento de alimentos e unidades de armazenamento de grãos. O motivo é que, principalmente na descarga de produtos, gera-se uma enorme nuvem de poeira, criando uma atmosfera explosiva.

Outro risco muito comum provém do acúmulo de poeira nos ambientes de trabalho. Caso essa superfície de poeira de grãos seja aquecida, ela acaba liberando gases de combustão. Assim, em caso de ignição no local, inicia-se um incêndio.

Além disso, a decomposição desses grãos também gera vapores inflamáveis. Grãos com umidade superior a 20%, por exemplo, podem gerar metanol, propanol ou butanol. Ademais, os gases metano e etano, também produzidos na decomposição dos grãos, também podem gerar atmosferas explosivas.

Mais um risco preocupante é o das poeiras que são depositas ao longo do tempo. Caso sejam agitadas ou entrem em contato com uma chama, há um alto risco de explosão. Dessa forma, cria-se uma reação em cadeia: a explosão gera vibrações que agitam mais pó, causando mais explosões e fazendo uma grande destruição.

Portanto, o recomendado é que a concentração máxima de poeira de grãos no ambiente não ultrapasse 4g/m³ de ar. Com mais que isso já existe um risco de explosões, sendo a faixa de 20 a 4.000g/m³ a mais perigosa. Para testar essas poeiras, já existem equipamentos específicos no mercado.

 

Como diminuir os riscos de explosão em silos e armazéns?

O primeiro passo para diminuir o risco de explosão nos silos é a limpeza recorrente do local, além de evitar fontes de ignição como soldas, fumo e até mesmo lanternas que não sejam intrinsecamente seguras.

A manutenção de equipamentos também deve ser recorrente, sendo preciso também instalar um sistema de aterramento. As peças giratórias devem estar livres de poeira, e elevadores, balanças e coletores devem ser equipados de alívios contra pressão.

Entretanto, é importante lembrar que nunca se deve varrer o armazém. Sua limpeza deve ser feita sempre com um aspirador de pó.

Além disso, a umidade do local deve se manter acima de 50%, pois o ambiente seco é mais propício a explosões. Lembre-se também de ter cuidado com ventiladores e de usar sistemas corta-fogo em dutos de transporte.

Ainda sobre ventilação, ela deve ser, sempre que possível, exaustora. Dessa forma, ela protege a saúde do trabalhador, captando os poluentes da fonte antes que se dispersem no ar e entrem nas vias respiratórias dos operários.

Por fim, é sempre bom se lembrar dos riscos de fumegantes e pesticidas. Esse tipo de produto pode ser muito perigoso em unidades de armazenamento de grãos, pois possuem substâncias como dissulfeto de carbono, dicloreto de etileno e fosfina.

 

Outros tipos de acidente no agronegócio

Além das explosões, existem vários outros tipos de acidente que podem acontecer em silos e armazéns. Em silos maiores, por exemplo, quando o operário entra sozinho e tenta andar sobre os grãos sem o conto de segurança, existe um perigo alto.

Por isso, é muito importante que quem for fazer qualquer coisa em um silo seja treinado e orientado para possíveis riscos. O ideal é que o operário nunca entre sozinho, use equipamentos próprios para descida, tenha permissão prévia do supervisor e sempre verifique a presença de gases e poeiras perigosas.

Ademais, os aparelhos de comunicação devem ser utilizados sempre que necessário, permitindo que alguém do lado de fora transmita orientações. Além disso, em casos extremos também é recomendado usar um equipamento externo para obter oxigênio através de uma ventilação forçada.

 

Conclusão

Produtos à base de grãos como soja, milho e trigo passam por um longo processo até chegarem à mesa. Durante esse período, existe um alto risco de acidentes e explosões, causados principalmente pelo calor e pela poeira dos grãos.

Por isso, é fundamental que os operários dos silos e armazéns utilizem equipamentos adequados de proteção individual e coletiva. Assim, os riscos de acidentes diminuem, garantindo a segurança de todos os envolvidos.

 

Veja também nosso guia completo de iluminação para espaços confinados