Siderose: O Que É, Sintomas, Setores de Risco e Prevenção

A siderose é uma das principais pneumoconioses conhecidas – nome dado às doenças causadas por inalação e acúmulo de poeira nos pulmões.

Cada pneumoconiose recebe um nome específico de acordo com a poeira que a causa. A poeira de sílica, por exemplo, causa a chamada silicose (principal tipo no país), enquanto a siderose é causada pelo ferro.

No Brasil, devido às diversas atividades industriais e extrativistas que lidam com minérios, grande parte dos trabalhadores correm o risco de desenvolver uma dessas doenças, sendo esse um problema de saúde pública.

Por isso, desenvolvemos este post para conscientizar os trabalhadores sobre o que é a siderose, seus riscos, formas de prevenção e tratamento.

O Que é a Siderose?

O nome siderose vem do grego antigo, sendo “sider” ferro e “ose” um sufixo para doenças. Assim, é uma doença caracterizada pelo acúmulo de poeira de ferro em tecidos humanos. Foi descrita pela primeira vez em 1936 por Doig e McLaughin, em um soldador de arco elétrico.

Sua forma mais comum é a que acomete os pulmões, causada pela inalação de óxido de ferro por trabalhadores de siderúrgicas. Por isso, também é chamada de “pulmão de soldador”.

Quais são os Sintomas da Siderose?

A siderose não costumar apresentar sintomas, sendo conhecida inclusive como uma “pneumoconiose benigna”. No entanto, aumenta o risco de outras doenças como:

  • Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC);
  • Fibrose pulmonar;
  • Câncer de pulmão.

O risco é ainda maior entre fumantes e moradores de cidades poluídas, ou quando está associada à silicose, ao radônio ou ao amianto.

Quais os Setores de Risco?

Sendo causada pela inalação de ferro, os setores de risco da siderose são justamente os que lidam diretamente com a substância, sendo os principais:

Além disso, em alguns setores existe ainda o risco de inalação de outros agentes lesivos quando inalados com o ferro.

Um exemplo é a mineração de ferro, onde pode haver a presença de sílica, causando a siderossilicose, lesão pulmonar mista de siderose e silicose.

Já na soldagem elétrica, há a presença de substâncias como óxido de titânio, zinco, cádmio, cromo e, em alguns casos, da própria sílica, gerando gases como óxidos de nitrogênio e ozônio.

Esses agentes podem produzir lesões brônquicas, modificar as reações de depósito de ferro nos pulmões e levar à fibrose difusa.

Como é o Diagnóstico?

Por não apresentar sintomas, a siderose chega a passar anos despercebida. Porém, suas alterações nos pulmões podem ser vistas claramente em amostras de tecido e imagens de raio-X.

Além das análises laboratoriais, o histórico do paciente também é um primeiro passo importante para se chegar ao diagnóstico. Além disso, deve-se certificar que não é um caso de congestão passiva crônica dos pulmões ou de antracose.

Como Prevenir a Siderose?

Para os trabalhadores de setores de risco de siderose, existem algumas formas importantes de prevenção da doença. São elas:

  • Uso de máscara facial;
  • Uso de roupas de proteção;
  • Garantir a ventilação adequada do ambiente de trabalho;
  • Rotina regular de exames de pulmão.

Existe Tratamento?

A siderose não costuma ser tratada, especialmente por não apresentar sintomas, fazendo com que o trabalhador continue por anos inalando a poeira de óxido de ferro, podendo evoluir o quadro da doença.

Entretanto, em caso de outros problemas pulmonares (como a silicose), o tratamento pode ser necessário. Nesses casos, é feita uma lavagem pulmonar, junto ao uso de corticosteroides ou outros medicamentos que ajudam a melhorar a respiração.

Existem Outros Tipos de Siderose?

Temos três outros tipos principais de siderose, caracterizados especialmente pelo local onde o ferro é depositado. São eles: superficial, pulmonar e hepática.

Siderose Superficial

A siderose superficial ocorre quando o ferro é depositado em locais no cérebro, podendo ser nos espaços subaracnóideos ou no líquido cefalorraquidiano.

Pode ter como causa ou estar associada a outras formas de hemorragia do sistema nervoso central, sendo uma condição rara que causa deterioração neurológica de forma lenta e progressiva.

O diagnóstico é possível por meio de ressonância magnética, mas por ser uma doença rara e com sintomas que demoram a aparecer (geralmente surdez e ataxia), pode ser diagnosticada tardiamente. Nesses casos, mesmo um tratamento bem-sucedido terá pouco efeito na progressão da deterioração.

Hemossiderose Pulmonar

Já a hemossiderose pulmonar causa uma hemorragia nos pulmões, levando a um acúmulo anormal de ferro. Assim, pode causar anemia e cicatrizes no pulmão (fibrose pulmonar).

A hemossiderose pode ser uma doença primária dos pulmões ou causada por outra doença cardiovascular ou sistêmica, como lúpus eritematoso sistêmico. Nesses casos, a doença primária geralmente é diagnosticada durante a infância. As principais são:

  • Síndrome de Goodpasture: Hemorragia pulmonar e distúrbio autoimune que afeta os rins e os pulmões.
  • Síndrome de Heiner: Hipersensibilidade ao leite de vaca.
  • Hemossiderose idiopática: Hemorragia pulmonar sem doença imunológica. Pode estar associado a outros distúrbios ou não ter causa conhecida.

Os sintomas da hemossiderose pulmonar podem aparecer lentamente ou de forma repentina, sendo geralmente:

  • Tosse com sangue;
  • Anemia;
  • Alterações no tecido pulmonar.

Siderose Hepática

Ocorre quando o ferro é depositado no fígado, sendo dividida em três tipos:

  • Sobrecarga de ferro no parênquima: quando o ferro se deposita dentro dos hepatócitos, células do fígado responsáveis por suas funções metabólicas. Geralmente ocorre devido a uma hiperabsorção do ferro pelo intestino, chegando até o fígado.
  • Sobrecarga de ferro mesenquimal: quando o ferro se deposita dentro das células de Kupffer e/ou macrófagos portais.
  • Sobrecarga mista de ferro: Apresenta características dos dois tipos anteriores, causada geralmente por uma grande carga de ferro ou condições mais complexas.

 

FONTES

Siderosis: Causes, Symptoms, Diagnosis, Treatment, Prevention
Occupational siderosis and welders’ lung: a review.
Siderose pulmonar
Siderose pulmonar: como ela é?
Estudo das internações hospitalares por pneumoconioses no Brasil, 1993-2003
Siderose (Superficial, Pulmonar e Hepática) e seus Tratamentos